Você está aqui: Entrada / Catálogo / A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

Amostras

  • 01 Zonelar Boisun (Mandó).mp3
  • 02 Dekhnni - Natch.mp3
  • 03 Kunnbi - Fugddi Natch.mp3
  • 04 Sam Francisku Xaviera.mp3
  • 05 Goa.mp3
  • 06 Hanv Saiba Peltoddi Vetam (Dekhnni).mp3
  • 07 Dove Rozericho Kollo (Mandó).mp3
  • 08 Nustekaram.mp3
  • 09 Marcha das Fontainhas.mp3
  • 10.Motim´ Sopnantum.mp3
  • 11 Borieche Tari (Dekhnni).mp3
  • 12 Adeus Korcho Vellu Paulo.mp3

COLEÇÃO DO PAVILHÃO DE PORTUGAL DA EXPO98

Edição de luxo em digipak com livreto trilingue (português, ingles e Konkani) de 122 páginas a cores.

A música e a dança em Goa traduzem bem a pluralidade de expressões e de processos acima descritos. A sua prática está também associada à casta, isto é, cada casta é detentora de um repertório próprio, sendo que hindus e católicos estabelecem uma distinção clara relativamente ao tipo de música que desempenham. Comum aos dois grupos é a existência de dois registos: um a que chamaremos de tradição erudita e outro de tradição popular. No primeiro caso, observa-se, por um lado, a presença bem definida e demarcada da música industânica - associada ao norte da Índia - desempenhada por hindus e muçulmanos, e, por outro, da música erudita ocidental, vinculada fundamentalmente ao contexto católico. No segundo caso é possível definir uma nova categoria que resulta exactamente do cruzamento e do encontro entre aspectos e representações da música ocidental e da música indiana. É aqui que se configura um conjunto de géneros expressivos, cantados e dançados, e desempenhados, na maioria dos casos, por católicos.

A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

15,00 €

A VIAGEM DOS SONS - GOA em MP3

5,00 €

As canções reunidas neste CD constituem um excelente exemplo dos múltiplos processos musicais que nos permitem hoje definir a categoria «música goesa» e o contexto da «música em Goa». O mando e o dulpod (nº1, 7, 10, 12) definem a forma mais elaborada de canto harmónico não religioso e representam o repertório por excelência dos brâmanes e dos chardós católicos. O mando conta-nos, delicadamente, histórias de amor e de saudade, com uma dolência profundo que contrasta com a alegria e a jocosidade do dulpod. Este, revela-nos outras histórias: as do quotidiano; fala-nos da brincadeira, do rumor, da curiosidade e dos aspectos mais comuns que

caracterizam ambiências e vivências de Goa. A presença do dulpod após o mando prende-se com a dança, ou seja, estas duas canções podem igualmente ser dançadas, aspecto que era quase obrigatório na boda de casamento dos católicos até à década de 60. O dekhnni (nº 2, 6 e 11), constitui o melhor exemplo de intercepção entre a realidade hindu e a católica. É um género cantado e dançado inicialmente pelas «bailadeiras» (nome atribuído pelos portugueses às mulheres devadassi) e foi proibido pela igreja católica que reprovava também a presença das suas protagonistas em qualquer festividade hindu. O dekhnni resistiu, todavia, a todas as proibições e é hoje cantado e dançado por católicos. Apropriou a harmonia tonal e

transformou a sua interpretação de acordo com os referentes musicais dos novos intérpretes. Uma apreciação mais cuidada definirá o dekhnni contemporâneo como uma canção feita por católicos sobre um aspecto da realidade hindu, outrora tão reprovado socialmente mas, também por isso, tão sedutor. Alguns ingredientes musicais mas sobretudo a dança perscrutam esse outro lado de Goa, que o aproxima da Índia através da exuberância dos trajes e adornos e da sensualidade que o corpo nela exibe.

A proposta que o grupo Gavana nos oferece neste disco aglutina, de algum modo, os diferentes processos que poderão definir o contexto da música em Goa. Indicia, por um lado, uma vivência musical intensa ao re-interpretar danças e canções que, na sua maioria, fazem parte do repertório familiar dos elementos do grupo; ao conferir, por outro, a esse mesmo repertório uma organização instrumental e vocal mais sofisticada, dá-nos conta de uma realidade recente em Goa, definida pela formação de grupos vocacionados para a representação em palco;  finalmente, ao incluir neste disco uma composição nova (nº5), da autoria do seu director musical, exprime também o conceito singular que os próprios goeses têm de música tradicional: não se

confina exclusivamente ao repertório do passado mas procura renovar-se, reconhecendo nos compositores contemporâneos a mesma autoridade para construir a tradição.

A edição do primeiro CD de música goesa gravado na Índia, marca um longo percurso construído à conta de emoções, de desafios, mas também de alguma intranquilidade. Este document permite, efectivamente, o acesso ao som, às palavras e às vozes, mas oculta toda a component cénica, coreográfica, gestual e contextual que definem a música e que constituem ingredients cruciais para identificar a «música goesa». Assim, independentemente do valor insubstituível do CD e destas gravações, não deixamos de estar perante uma leitura redutora do comportamento expressivo a que chamamos música, embora, a outro nível, este mesmo documento se mostre

surpreendentemente revelador: desvenda-nos o fascínio da viagem e testemunha a possibilidade que a música tem de acompanhar as pessoas e de sobreviver a elas. Goa oferece-nos de facto um magnífico exemplo dessas viagens seculares e da adopção e adaptação de códigos musicais que mantiveram a vitalidade suficiente para serem hoje autónomos e permanecerem em constante recriação.

Mais discos (tradicional)

A BRAGUESA DE CHICO GOUVEIA

A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

A VIAGEM DOS SONS – BRASIL - O CAVALO MARINHO DA PARAÍBA

A VIAGEM DOS SONS – CABO VERDE – DEZ GRANZI DI TERA

A VIAGEM DOS SONS – DAMÃO, DIU, COCHIM, KORLAI – DESTA BARRA FORA

A VIAGEM DOS SONS – MACAU – FALA-VAI-FALA-VEM

A VIAGEM DOS SONS – MALACA – KANTIGA DI PADRI SA CHANG

A VIAGEM DOS SONS – MOÇAMBIQUE – MAKAYELA

A VIAGEM DOS SONS – S. TOMÉ – TCHILOLI

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – BAILA CEILÃO CAFRINHA

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – CANTIGAS DO CEILÃO

A VIAGEM DOS SONS – SUMATRA – KRONCONG MORITSKO

A VIAGEM DOS SONS – TIMOR – TATA HATEKE BA DOK

A VIOLA CAMPANIÇA CD 1

A VIOLA CAMPANIÇA CD 2

ALEMTEJO - UM SÉCULO DE SOM

ALGARVE

AS TRADIÇÕES PORTUGUESAS EM FRANÇA

AS TUNAS DO MARÃO CD 1

AS TUNAS DO MARÃO CD 2

AS TUNAS DO MARÃO CD 3

AS TUNAS DO MARÃO CD 4

AT-TAMBUR

AUTO DA FONTE DOS AMORES

BRAGA NA TRADIÇÃO MUSICAL

CANCIONEIRO DO CANTE ALENTEJANO

CANTIGAS DE MAREAR – CORAL DINAMENE

CONJUNTO JOÃO DOMINGOS - AO VIVO EM MACAU

DANÇAS POPULARES DO CORPUS CHRISTI DE PENAFIEL

DANIEL PEREIRA - CAVAQUINHO CANTADO

DECANTADO

EKVAT – GOEAN PAUTOCH

FILHOS DE TIMOR LESTE

GOA - MACAU - TIMOR

GRUPO CORAL "OS ARRAIANOS DE FICALHO"

GRUPO CORAL DE PORTIMÃO

GRUPO CORAL FEMININO "AS CEIFEIRAS DE PIAS"

GRUPO FOLCLÓRICO DA CASA DO POVO DE MARTIM

GRUPO FOLCLÓRICO DE VILA VERDE - CD

INFLUÊNCIAS

ISABEL SILVESTRE

JOAQUIM ROQUE

MACAU

MAIO MOÇO

MANUEL DIAS NUNES

MEUS OLHOS VAN PER LO MAR – CORAL DINAMENE

MICHEL GIACOMETTI - O LADRÃO DO SADO

MICHEL GIACOMETTI - UMA LONGA MILITÂNCIA

NOVAS VOS TRAGO

O BAILE DA CAMACHA – A ORIGEM E A HISTÓRIA

O Cavaquinho do Amadeu

RAÍZES

RAÍZES MUSICAIS DE VINHAIS

TRADIÇÕES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 1

TRADIÇÕES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 2

TRADIÇOES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 3

TUNA MACAENSE

VOZES E RITMOS DO ORIENTE