Você está aqui: Entrada / Catálogo / A VIAGEM DOS SONS – TIMOR – TATA HATEKE BA DOK

A VIAGEM DOS SONS – TIMOR – TATA HATEKE BA DOK

Amostras

  • 01 Hu Korneta Oan.mp3
  • 02 Fanfarra Ba Santu Antonio.mp3
  • 03 Massi Olarinda.mp3
  • 04 Ina Lou.mp3
  • 05 Amigo.mp3
  • 06 O Hele Ho.mp3
  • 07 Lenáo Ida Ba Noi.mp3
  • 08 Imi Atu Ba Na Be.mp3
  • 09 Halibur Maluk.mp3
  • 10 Sae Foho Tun Foho.mp3
  • 11 Ita Timor Oan.mp3
  • 12 Hamutuk Ita Sei Manan.mp3
  • 13 Kakei.mp3
  • 14 Oan Kiak.mp3
  • 15 Makikit.mp3
  • 16 Foho Ramelau.mp3
  • 17 Karau Atan.mp3
  • 18 Oan Kiak Na_in Tolo.mp3
  • 19 Tebe Olpana Kanua.mp3

COLEÇÃO DO PAVILHÃO DE PORTUGAL DA EXPO98

Edição de luxo em digipak com livreto bilingue (português, inglês) de 130 páginas a cores.

Os portugueses começaram a navegar as ilhas orientais da Pequena Sunda depois da conquista de Malaca em 1511. Os missionários católicos, uma constante no aparato do império colonial lusófono, estabeleceram uma missão na ilha de Solor, de onde os padres eram enviados para Lifau, em Timor, para conversão dos nativos ao catolicismo. Em 1769 Dili foi estabelecida como uma guarnição portuguesa, uma acção que terá alienado muito mais os timorenses recalcitrantes em se submeterem ao controle military português. Mas foi só em meados do século XX, durante a presidência autocrática de Salazar, que as infra-estruturas cívicas e religiosas de Timor foram abaladas e Timor Português assumiu o carácter de estado corporativo com autoridade centralizada em Dili. Em Agosto de 1975 os portugueses deixaram Timor Leste durante o period de instabilidade civil. Três meses depois, a 7 de Dezembro de 1975, os militares Indonésios iniciaram uma invasão de grande escala e ocuparam a ilha de Timor Leste até à sua recente libertação.

A VIAGEM DOS SONS – TIMOR – TATA HATEKE BA DOK

15,00 €

A VIAGEM DOS SONS – TIMOR em MP3

5,00 €

É possível que tenha sido o toque mensageiro do korneta (corno de búfalo) e não, como os livros de História nos contam, o grande comércio de sândalo que terá atraído primeiramente os exploradores portugueses para Timor no século XVI. Se assim foi, «Tata - Olhando o Horizonte» é uma viagem no tempo e no som, começando com o chamamento eterno do korneta (corneto de bufalo) de João Betro, e terminando com a beleza etérea da dança de tebe (vide faixa 19) da vila de Olpana, próxima do Monte Ramelau. Entre os exemplos musicais é possível identificar como a tensão foi aumentando na vida e na música timorense durante a segunda metade deste século.

Dá-nos conta da tensão e do lirismo simultâneos nas interpretações do famoso violinist Abril Metan que sobreviveu às atrocidades da segunda guerra mundial, quando as forças australianas e japonesas aproveitaram a neutralidade política de Timor, então português, para aí desenharem os seus jogos de guerra. Metan atingiu a sua maturidade artística durante a era mais progressiva da colónia quando os administradores civis - na sua maioria timorenses - substituíram os comandantes militares portugueses e os planos fiscais de Salazar começaram a dar frutos através da construção de escolas e de estradas. Testemunhando os anos setenta incluímos o «Imi Atu Ba Ne Be» (Onde é que vais?), da Fretilin, quando o nacionalismo atingiu o seu ponto mais alto. É nesta altura que as antigas melodias timorenses e a música associada ao ritual adquirem  novos significados através da palavra, procurando assim reforçar o orgulho na cultura indígena e a mudança na orientação política de uma nação emergente. Tentamos não chorar com a triste melodia «Halibur Maluk» gravada nos anos oitenta, talvez a década mais brutal que os timorenses tenham conhecido, e que contrasta fortemente com a força, a esperança e a complexidade metafórica que o popular cantor contemporâneo e Timor, Amandio Araújo, é capaz de projectar nos anos noventa, apesar das severas restrições da censura. Ele representa a época em que Xanana Gusmão reorganizou a resistência numa imponente e efectiva força guerrilheira, e em que os jornalistas - cujas entradas foram proibidas em Timor desde 1975 - conseguiram clandestinamente «capturar» em vídeo o massacre no Cemitério de Santa Cruz. Os músicos desta década são claramente influenciados pelo estilo pop internacional e utilizam uma série de sons.

Mais discos (tradicional)

A BRAGUESA DE CHICO GOUVEIA

A VIAGEM DOS SONS - GOA - GAVANA

A VIAGEM DOS SONS – BRASIL - O CAVALO MARINHO DA PARAÍBA

A VIAGEM DOS SONS – CABO VERDE – DEZ GRANZI DI TERA

A VIAGEM DOS SONS – DAMÃO, DIU, COCHIM, KORLAI – DESTA BARRA FORA

A VIAGEM DOS SONS – MACAU – FALA-VAI-FALA-VEM

A VIAGEM DOS SONS – MALACA – KANTIGA DI PADRI SA CHANG

A VIAGEM DOS SONS – MOÇAMBIQUE – MAKAYELA

A VIAGEM DOS SONS – S. TOMÉ – TCHILOLI

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – BAILA CEILÃO CAFRINHA

A VIAGEM DOS SONS – SRI LANKA – CANTIGAS DO CEILÃO

A VIAGEM DOS SONS – SUMATRA – KRONCONG MORITSKO

A VIAGEM DOS SONS – TIMOR – TATA HATEKE BA DOK

A VIOLA CAMPANIÇA CD 1

A VIOLA CAMPANIÇA CD 2

ALEMTEJO - UM SÉCULO DE SOM

ALGARVE

AS TRADIÇÕES PORTUGUESAS EM FRANÇA

AS TUNAS DO MARÃO CD 1

AS TUNAS DO MARÃO CD 2

AS TUNAS DO MARÃO CD 3

AS TUNAS DO MARÃO CD 4

AT-TAMBUR

AUTO DA FONTE DOS AMORES

BRAGA NA TRADIÇÃO MUSICAL

CANCIONEIRO DO CANTE ALENTEJANO

CANTIGAS DE MAREAR – CORAL DINAMENE

CONJUNTO JOÃO DOMINGOS - AO VIVO EM MACAU

DANÇAS POPULARES DO CORPUS CHRISTI DE PENAFIEL

DANIEL PEREIRA - CAVAQUINHO CANTADO

DECANTADO

EKVAT – GOEAN PAUTOCH

FILHOS DE TIMOR LESTE

GOA - MACAU - TIMOR

GRUPO CORAL "OS ARRAIANOS DE FICALHO"

GRUPO CORAL DE PORTIMÃO

GRUPO CORAL FEMININO "AS CEIFEIRAS DE PIAS"

GRUPO FOLCLÓRICO DA CASA DO POVO DE MARTIM

GRUPO FOLCLÓRICO DE VILA VERDE - CD

INFLUÊNCIAS

ISABEL SILVESTRE

JOAQUIM ROQUE

MACAU

MAIO MOÇO

MANUEL DIAS NUNES

MEUS OLHOS VAN PER LO MAR – CORAL DINAMENE

MICHEL GIACOMETTI - O LADRÃO DO SADO

MICHEL GIACOMETTI - UMA LONGA MILITÂNCIA

NOVAS VOS TRAGO

O BAILE DA CAMACHA – A ORIGEM E A HISTÓRIA

O Cavaquinho do Amadeu

RAÍZES

RAÍZES MUSICAIS DE VINHAIS

TRADIÇÕES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 1

TRADIÇÕES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 2

TRADIÇOES MUSICAIS DA ESTREMADURA CD 3

TUNA MACAENSE

VOZES E RITMOS DO ORIENTE